O SEGREDO (REVELADO)

O Segredo começa com uma citação que é o resumo do conteúdo da obra: “O que está em cima é como o que está embaixo. O que está dentro é como o que está fora.” – Tábua das Esmeraldas, cerca de 3.000 a.C.

Entendeu? Provavelmente não. Eu ajudo. Vou lhe contar como se faz. As próximas palavras que você lerá poderão mudar sua vida. Elas lhe mostrarão como alcançar fama e fortuna. Segundo a autora Rhonda Byrne, O Segredo é antigo e valioso. Diz ela: “Altamente cobiçado, ele foi transmitido ao longo dos tempos, ocultado, perdido, roubado e comprado por grandes somas de dinheiro.” Parece roteiro do filme Código Da Vinci... Pois é mais ou menos por aí. O Segredo é livro para arrebatar multidões. Já vendeu cerca de 10 milhões de exemplares. A autora Rhonda Byrne tem o modelo para se conseguir tudo que se deseja. Pelo menos, no que se refere aos desejos dela, isso é verdade. A promessa do livro é semelhante a ela gentilmente nos listar as dezenas do próximo sorteio da MegaSena. Seja para ganhar dinheiro, curas milagrosas, sucesso profissional ou no amor, para tudo serve o dito Segredo. A apresentação do livro traz a boa nova: “Agora O Segredo está sendo revelado ao mundo.” Pois vou fazer o mesmo. Trarei a você “A Receita”, as regras mães de todos os livros de auto-ajuda. Vou lhe ensinar a ganhar dinheiro e usufruir de todas as maravilhas da vida. Você lerá a seguir um resumo do meu livro, que deverá sair no início de 2008. Prepare-se, você será apresentado nas próximas linhas a um projeto que pode levá-lo a fortuna. Se for eficiente, poderá conseguir a vida eterna. Só depende de você. Pessoas espertas, como é o caso do bruxo Paulo Coelho, amealharam dinheiro e fama através do emprego da fórmula que vos passo a seguir. Enfim, A Receita se revela! Apresento aqui apenas o material básico. Guardo alguns pulos-do-gato para vocês tomarem conhecimento quando comprarem e lerem A Receita. Passemos a um breve comentário sobre as regras de ouro:

- Regra I. Invente algo cuja eficiência não possa ser comprovada.
Isto é fundamental. Se sua idéia for realista, você está frito. Se for algo palpável, medível, não dá certo. Os ingênuos não acharão graça e os racionais vão cobrar os resultados. Você pode acabar na Justiça, respondendo a inúmeros processos contra propaganda enganosa. Fale sobre causas (seu método) e conseqüências (os resultados desejados pelos leitores), mas tome o cuidado de definir tudo de modo que uma coisa não tenha relação com a outra. Crie procedimentos que eventualmente combinam com os resultados desejados. O importante é que uma coisa possa levar à outra. Ou não! Resumindo, não há relação de causa e efeito entre o que você recomenda e o que acontece, mas você deve falar o tempo todo sobre esta vinculação. Por exemplo: se você oferecer a cura de uma doença, escolha alguma daquelas que eventualmente se curam sozinhas. Assim, você sempre terá a seu favor aquelas pessoas que se curaram e que jurarão que foi você o responsável. A homeopatia é mais ou menos assim e faz o maior sucesso. Se o sujeito se cura, é um milagre, se morre, dizem que era seu destino.

- Regra II. Dê exemplos de sucesso do seu método.
Isso! O povo adora um caso de sucesso. Como diz o meu ditado: “Para um bom ingênuo, um caso de sucesso vale mais que cem fracassos.” Relate casos de curas médicas extraordinárias. É claro que não precisa ser verdade. Pode inventar. Conte de gente que ficou milionário com suas dicas. Não precisa exagerar e contar que um moto boy, depois que leu seu livro, teve um caso com a Gisele Bündchen. Vá mais devagar. Por que não dizer que VOCÊ teve um caso com ela? Se o objetivo do método for fazer fortuna, descreva como pessoas ficaram milionárias com ele. Diga que Bill Gates foi um daqueles que seguiu suas dicas. Claro que a relação dele com você é secreta e por isso ninguém sabia antes de você resolver contar ao mundo.

- Regra III. Cite sábios e cientistas que utilizaram suas recomendações.
Cite personagens antigos brilhantes (Galileu e Einstein são boas pedidas). Isso contribui para dar uma aura de científico à sua proposta, por mais estapafúrdia que ela seja. Esta respeitabilidade falso-científica é cultuada pelo leigo. Gente com títulos pomposos agradam bastante. Em O Segredo, a autora começa citando o renomado “Dr. Joe Vitale, Doutor em Ciência Metafísica”. Seja lá o que isso for, temos que concordar: Essa Rhonda Byrne é genial!

- Regra IV. Não fique só na conversa, proponha um método.
Em determinado momento de sua obra, proponha um método bem rigoroso para seus seguidores. Veja o exemplo do método Dentifrício do Dr. Snow. Ele professava que a pessoa deveria escovar os dentes todos os dias, após o café da manhã, e, neste momento, olhando firme para a sua imagem no espelho do banheiro, estabelecer um objetivo de crescimento pessoal, sentimental ou profissional para atingir naquele dia. Notem que o exemplo é meio idiota. Não poderia ser de outra forma, pois inventei agora mesmo. Mas ele serve para mostrar a necessidade de você propor alguma coisa. Não pode ficar enrolando o crédulo leitor sem oferecer nenhuma proposta para ele. Proponha um modelo de ações que o leitor deverá fazer que o levará a ter sucesso no amor, no dinheiro etc.. Cuide para que haja alguma ambigüidade nas regras para seu seguidor poder explicar mais tarde seus fracassos. Ele ficará convencido que não teve sucesso por não ter cumprido as regras da maneira certa. O bom dessa abordagem é você se proteger de cobranças futuras quanto aos resultados. Se o pobre coitado não consegue criar uma nova Microsoft, concluirá que não foi bem sucedido porque não se esforçou, não acreditou o suficiente ou não seguiu corretamente suas estranhas regras.

- Regra V. Apele para o místico.
O místico não tem mesmo explicação. Nada é tão alucinado como Florais de Bach ou emanações de Reiki, mas a rapaziada acredita. Use o misticismo sem cerimônias. Como é impossível de explicar, suas explanações parecerão complexas e darão brilho e sofisticação a seu método. Acrescentar algumas práticas indianas pegam muito bem. Quanto mais distante geograficamente ou no tempo for a civilização citada, mais o povo se exalta com suas sábias palavras. Diga, por exemplo, que os originais do seu método foram encontrados em pergaminhos escritos em aramaico antigo, num deserto entre os rios Tigre e Eufrates. Pode abusar na dosagem sem se ruborizar. Você verá como sempre surgirão crentes para sua conversa.

Há uma variante dessa regra: “combinar as regras IV e V”, ou seja, misturar o pseudocientífico e o místico. O artifício mais comum é usar a física quântica. Faça declarações peremptórias sobre a teoria quântica, incluindo que ela seja o elo entre o místico e o científico. Com essa conversa você mostrará que o místico funciona e que a ciência séria não pode explicar tudo. É eficiente. A teoria quântica é excelente material. Ninguém entende direito e seu charme é irresistível.

- Regra VI. A embalagem. Atenção total para a forma.
Seu livro deve ser de capa dura. A razão é simples: todo mundo acha que um livro de capa dura é mais sério que uma brochura. E não se esqueça de escrever pouco. Seus leitores não querem literatura, querem ficar ricos e famosos. Recomende a seu editor usar títulos com letras grandes, que o texto seja em letras avantajadas e que haja boa distância entre os parágrafos. Fotos que preencham páginas inteiras também são úteis para aumentar o volume do seu livro, compensando o minguado texto.

Dependendo do seu projeto, nesses nossos tempos modernos, é recomendado combinar várias mídias. Lance logo um DVD, que é muito bom para atender ao público mais sincero, que não quer ler nada mesmo e prefere um filme. Vídeos postados no You Tube podem ser úteis. Há que tomar cuidado pois a vanguarda tecnológica não é bem vista para lançar “segredos” antigos que podem mudar sua vida. Ou seja, o bom e velho livro de papel ainda tem a pompa adequada para lançar um best seller de auto-ajuda. Eu vou fazer assim. Rhonda fez no início com o O Segredo.

- Regra VII. Não seja modesto em suas promessas.
Não se limite a dizer que o sujeito vai ganhar R$10 mil com as práticas que você recomenda. Diga logo que ele vai "bombar" e ganhar um milhão! Por outro lado, mesmo que venha a ter que responder a um processo por curandeirismo, não diga que vai curar o resfriado do leitor, diga que suas recomendações vão impedir que ele tenha qualquer doença ou vão curá-lo de um câncer terminal. A autora de O Segredo é muito ousada no uso dessa regra. São suas palavras: “Você sabe que as crenças sobre envelhecimento estão apenas em nossas mentes. A ciência explica que temos um corpo inteiramente novo em pouco tempo. Envelhecimento é pensamento limitado ...” Não entendi bem o ponto de vista da esperta Rhonda Byrne, penso que ela tenha delirado um pouco nesse trecho do livro. Mas, por seu sucesso, ela é a prova viva (e rica) de que ousar na regra das promessas dá bom retorno.

- Regra VIII. O “efeito placebo” ou “aplacador de consciências”.
Talvez haja até algo de bom nestes livros de auto-ajuda. Portanto, desenvolva um projeto que leve as pessoas a se esforçarem em conseguir as coisas. Se seu esquema não cura nem leva o sujeito a ter qualquer tipo de sucesso, pelo menos não o mate nem conduza o infeliz a falência. Ainda mais - aqui nossas consciências de escritores de livros de auto-ajuda são amortecidas - se as pessoas caírem na sua história e se concentrarem em buscar o sucesso, isso pode lhes fazer bem. Se suas propostas lhes derem o foco nos problemas, realmente pode ser um fator indireto que resulte em algo de bom. Você será um fator motivacional para os leitores. A fé que você pode embutir num discípulo de sua seita de auto-ajuda pode levar o sujeito a trabalhar duro e vencer na vida. Também pode movê-lo a se sentir melhor mesmo estando para morrer. Pode retirá-lo de um estado de depressão que seria ruim para sua saúde. No mínimo ele poderá morrer mais feliz. É o efeito placebo, você não deu nada para o sujeito, mas, mesmo assim, ele melhora. Percebeu, você será quase um santo! Magnífico. Este é o Grande Segredo, você pode ficar rico e famoso e ainda dormir tranqüilo por ajudar aos outros.

- Regra IX. Seja fiel àquele que lhe conduziu à fortuna. Quem? Sou eu, idiota.
Depois de ficar milionário colocando em prática minhas sugestões, não se esqueça de me escrever (por favor, use o link de comentário mais abaixo) pedindo o número da conta. Faça um depósito polpudo em retribuição aos serviços que prestei ao lhe dar esta grande idéia. Agradeço desde já.

Em tempo, o livro O Segredo é um caso de sucesso da utilização das valiosas regras que passamos a vocês aí atrás. Rhonda Byrne foi uma de nossas mais aplicadas discípulas. Ela pecou apenas por não utilizar a Regra IX. A ingrata não nos repassou nem um dólar sequer. E para terminar citamos uma pérola dos ensinamentos de Mrs. Byrne: “A única razão pela qual uma pessoa não tem dinheiro suficiente é estar impedindo com seus pensamentos que o dinheiro chegue até ela.” Pois é, deixe de ser incompetente, pare de pensar negativo, compre meu livro, use nossas regras, fique rico e deposite dinheiro na minha conta. Aguardem meu futuro sucesso de vendas: o livro A Receita.

Ernesto Friedman